Mudanças de comportamento: todos os apps

A plataforma Android 14 inclui mudanças de comportamento que podem afetar seu app. As mudanças de comportamento abaixo se aplicam a todos os apps executados no Android 14, independente de targetSdkVersion. Teste seu app e modifique-o conforme necessário para ficar compatível com essas mudanças, quando aplicável.

Consulte também a lista de mudanças de comportamento que afetam apenas os apps destinados ao Android 14.

Principal recurso

Programar alarmes exatos não é permitido por padrão

Alarmes exatos são destinados a notificações pretendidas pelo usuário ou ações que precisam acontecer em um momento preciso. A partir do Android 14, a permissão SCHEDULE_EXACT_ALARM não é mais concedida previamente à maioria dos apps recém-instalados destinados ao Android 13 e mais recentes. Em vez disso, ela é negada por padrão.

Saiba mais sobre as mudanças na permissão de programação de alarmes exatos.

As transmissões registradas em contexto são enfileiradas enquanto os apps são armazenados em cache

No Android 14, o sistema pode colocar transmissões registradas em contexto em uma fila enquanto o app está no estado em cache. Esse comportamento é semelhante ao enfileiramento que o Android 12 (nível 31 da API) apresentou para transações de binder assíncronas. As transmissões declaradas no manifesto não são enfileiradas, e os apps são removidos do estado em cache para enviar a transmissão.

Quando o app sai do estado em cache, como ao retornar para o primeiro plano, o sistema envia todas as transmissões enfileiradas. Várias instâncias de determinadas transmissões podem ser mescladas em uma transmissão. Dependendo de outros fatores, como a integridade do sistema, os apps podem ser removidos do estado em cache e qualquer transmissão colocada anteriormente na fila é entregue.

Os apps só podem encerrar os próprios processos em segundo plano

Starting in Android 14, when your app calls killBackgroundProcesses(), the API can kill only the background processes of your own app.

If you pass in the package name of another app, this method has no effect on that app's background processes, and the following message appears in Logcat:

Invalid packageName: com.example.anotherapp

Your app shouldn't use the killBackgroundProcesses() API or otherwise attempt to influence the process lifecycle of other apps, even on older OS versions. Android is designed to keep cached apps in the background and kill them automatically when the system needs memory. If your app kills other apps unnecessarily, it can reduce system performance and increase battery consumption by requiring full restarts of those apps later, which takes significantly more resources than resuming an existing cached app.

A MTU está definida como 517 para o primeiro cliente GATT que solicita uma MTU

No Android 14 e versões mais recentes, a pilha Bluetooth do Android está de acordo com a versão 5.2 da especificação principal do Bluetooth e solicita a MTU BLE ATT para 517 bytes quando o primeiro cliente GATT solicita uma MTU usando a API BluetoothGatt#requestMtu(int) e desconsidera todas as solicitações de MTU posteriores nessa conexão de ACL.

Para resolver essa mudança e tornar seu app mais robusto, considere as seguintes opções:

  • O dispositivo periférico precisa responder à solicitação de MTU do dispositivo Android com um valor razoável que possa ser acomodado pelo periférico. O valor final negociado será um mínimo do valor solicitado pelo Android e do valor fornecido remotamente (por exemplo, min(517, remoteMtu)).
    • A implementação dessa correção pode exigir uma atualização de firmware para periféricos
  • Como alternativa, limite as gravações de características do GATT com base no mínimo entre o valor compatível conhecido do periférico e a alteração da MTU recebida.
    • Um lembrete de que você precisa reduzir 5 bytes do tamanho permitido para os cabeçalhos
    • Por exemplo: arrayMaxLength = min(SUPPORTED_MTU, GATT_MAX_ATTR_LEN(517)) - 5

Novo motivo para um app ser colocado no bucket de espera restrito

Android 14 introduces a new reason an app can be placed into the restricted standby bucket. The app's jobs trigger ANR errors multiple times due to onStartJob, onStopJob, or onBind method timeouts. (See JobScheduler reinforces callback and network behavior for changes to onStartJob and onStopJob.)

To track whether or not the app has entered the restricted standby bucket, we recommend logging with the API UsageStatsManager.getAppStandbyBucket() on job execution or UsageStatsManager.queryEventsForSelf() on app startup.

mlock limitado a 64 KB

No Android 14 (nível 34 da API) e versões mais recentes, a plataforma reduz a memória máxima que pode ser bloqueada usando mlock() para 64 KB por processo. Nas versões anteriores, o limite era de 64 MB por processo. Essa restrição promove um melhor gerenciamento de memória entre apps e no sistema. Para oferecer mais consistência em todos os dispositivos, o Android 14 adiciona um novo teste de CTS para o novo limite de mlock() em dispositivos compatíveis.

O sistema impõe o uso de recursos de apps armazenados em cache

Por padrão, o processo de um app fica armazenado em cache quando é movido para o segundo plano e nenhum outro componente do processo do app está em execução. Esse processo do app está sujeito a ser encerrado devido à pressão na memória do sistema. Qualquer trabalho realizado pelas instâncias Activity nesse estado após o método onStop() ter sido chamado e retornado não é confiável nem recomendado.

O Android 14 apresenta consistência e requisitos nesse design. Logo após o processo de um app entrar em um estado armazenado em cache, o trabalho em segundo plano deixa de ser permitido até que um componente do processo volte a um estado ativo do ciclo de vida.

Apps que usam APIs de ciclo de vida com suporte ao framework, como Services, JobScheduler e Jetpack WorkManager, não são afetados por essas mudanças.

Experiência do usuário

Mudanças na experiência dos usuários com notificações não dispensáveis

Caso seu app mostre notificações não dispensáveis em primeiro plano para os usuários, saiba que o Android 14 mudou o comportamento para permitir que os usuários dispensem essas notificações.

Essa mudança se aplica a apps que impedem os usuários de dispensar as notificações em primeiro plano ao definir Notification.FLAG_ONGOING_EVENT usando Notification.Builder#setOngoing(true) ou NotificationCompat.Builder#setOngoing(true). O comportamento de FLAG_ONGOING_EVENT mudou para que essas notificações possam ser dispensadas pelo usuário.

Esses tipos de notificação ainda não podem ser dispensados nas seguintes condições:

  • Quando o smartphone está bloqueado.
  • Quando o usuário seleciona uma ação de notificação Limpar tudo, que pode dispensar notificações acidentalmente.

Além disso, esse novo comportamento não se aplica a notificações nos seguintes casos de uso:

  • Notificações do CallStyle
  • Controlador de política de dispositivo (DPC) e pacotes de suporte para empresas.
  • Notificações de mídia
  • O pacote padrão do seletor de pesquisa

As informações de segurança dos dados estão mais visíveis

Para melhorar a privacidade do usuário, o Android 14 aumenta o número de lugares em que o sistema mostra as informações declaradas no formulário do Play Console. Atualmente, os usuários podem ver essas informações na seção Segurança dos dados da página de detalhes do app no Google Play.

Recomendamos revisar as políticas de compartilhamento de dados de local do app e atualizar a seção "Segurança dos dados" no Google Play.

Saiba mais no guia sobre como as informações de segurança dos dados estão mais visíveis no Android 14.

Acessibilidade

Dimensionamento de fonte não linear para 200%

No Android 14 e mais recentes, o sistema oferece suporte ao dimensionamento de fontes de até 200%, dando aos usuários com baixa visão outras opções de acessibilidade alinhadas às Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web (WCAG, na sigla em inglês).

Se você já usa unidades de pixels dimensionados (sp) para definir o tamanho do texto, essa mudança provavelmente não terá um impacto alto no seu app. No entanto, faça testes de interface com o tamanho máximo de fonte ativado (200%) para garantir que o app possa acomodar tamanhos de fonte maiores sem afetar a usabilidade.

Segurança

Nível mínimo desejado para a instalação da API

A partir do Android 14, não é possível instalar apps com uma targetSdkVersion anterior a 23. Exigir que os apps atendam a esses requisitos mínimos do nível da API melhora a segurança e a privacidade para os usuários.

Geralmente, um malware é direcionado a níveis de API mais antigos para contornar as proteções de segurança e privacidade lançadas nas versões mais recentes do Android. Por exemplo, alguns apps de malware usam uma targetSdkVersion de 22 para evitar serem submetidos ao modelo de permissão de execução apresentado em 2015 pelo Android 6.0 Marshmallow (nível 23 da API). Essa mudança do Android 14 dificulta que malwares evitem melhorias de segurança e privacidade. A tentativa de instalar um app direcionado a um nível de API anterior resultará em uma falha na instalação, com a seguinte mensagem no Logcat:

INSTALL_FAILED_DEPRECATED_SDK_VERSION: App package must target at least SDK version 23, but found 7

Em dispositivos que fizerem upgrade para o Android 14, todos os apps com uma targetSdkVersion anterior à 23 permanecerão instalados.

Se você precisar testar um app destinado a um nível de API mais antigo, use o seguinte comando adb:

adb install --bypass-low-target-sdk-block FILENAME.apk

Os nomes dos pacotes de proprietários de mídia podem ser editados

O armazenamento de mídia oferece suporte a consultas para a coluna OWNER_PACKAGE_NAME, que indica o app que armazenou um arquivo de mídia específico. A partir do Android 14, esse valor é suprimido, a menos que no mínimo uma das condições abaixo seja verdadeira:

  • O app que armazenou o arquivo de mídia tem um nome de pacote que fica sempre visível para outros apps.
  • O app que consulta o armazenamento de mídia solicita a permissão QUERY_ALL_PACKAGES.

Saiba mais sobre como o Android filtra a visibilidade do pacote para fins de privacidade.